11 junho 2011

Triálogo e poliamor


- Sabe de uma coisa? Tem um lance que eu não consigo entender..
- O que?
- Ainda tem vinho aí?
- Porque nós temos que amar uma pessoa só. Eu não posso concordar com isso, sabe? Somos seres tão complexos, desconhecidos, misteriosos no sentido de sermos os inventores de um mundão de teorias, tecnologias..
- Do que vocês tão falan..
- Shiii..
- Eu mesmo, por exemplo. Eu amo uma porção de coisas, ínfimas, bobas, sérias, tanto faz. Amo os tons de azul ao longe, no horizonte, quando faz mais ou menos 6hrs da tarde, lá no meu bairro. Amo minhas fotografias antigas, teu cabelo desgrenhado, aquele brinco de estrelinha, o timbre da tua voz quando você fala meu nome.
- Temos que sair pra comprar mais gelo, já tá no finalzinho.
- Caralho, te aquieta mulher..
- Então, como seres complexos que somos, ainda assim não é aceitável que você possa amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Eu não entendo porque nós temos que canalizar nossos sentimentos e pensamentos pra uma única pessoa. Porque nós não podemos sentir amor como também poliamor...
- Poliamor?
- Mano, vocês estão trêbadas, hein?
- É, poliamor. Sentir, amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo, sem que um anule o outro. Sem que você esteja sendo covarde, injusta, trapaceira. Poliamor como o que eu sinto agora, pelo meu namorado, pelo meu professor da auto-escola e pelo guri que eu vi uma única vez entrando em um ônibus, semana passada.
- Mas isso não é amor...
- E alguém sabe o que diabos é, então? Se eu o sinto, isso automaticamento não o torna verdadeiro?
- Quem?
- O amor. Pelo meu namorado, meu professor de história e..
- Não era o professor da auto-escola?
- É, por ele também. O ponto aqui é que eu sou muitíssimo capaz de amar todas essas pessoas eternamente, até o próximo mês ou deixar de ama-los ainda esta madrugada. Ainda assim isso é amor pra mim. É terno, suave, bonito, acolhedor. É amor pra mim porque, se nada pode ser eterno, o amor não é a exceção da mesa. O amor também tem duração. A gente diz que não, que se acabou é "porque não era amor". Mas eu senti, eu fui feliz, me fez bem!
- Talvez nós digamos isso, sobre não ter sido amor porque acabou, como uma forma de nos consolarmos, sabe? "Ainda tenho chance, ainda tenho jeito. Isso aconteceu porque não foi amor de verdade", como uma desculpa pra não nos deixarmos abater..
- Exatamente... Mas foi amor. Nem que tenha durado os 2 minutos e meio em que você viu o guri barbudo caminhar e entrar no ônibus e que nesses 2 minutos e meio você se imaginou indo ao cinema com ele e teu coração bate forte, e foi bonito. E só.
- É, as pessoas procuram especificar tanto as coisas, mesmo as mais simples. "Cada uma dessas 12 vassouras são diferentes entre si, cada uma serve pra determinado tipo de ambiente.." E o amor é só amor. Por ti, pelos amigos, duradouro, passageiro. Amor é só amor.
- Faz sentido?
- Não, não faz.
- É, não faz.

9 comentários:

Ana disse...

Gostei, muitissímo bem escrito. Mas não concordo muito com o termo poliamor.
Aliás, não acredito muito. Prefiro o monoamor mesmo :T

Ágda disse...

Fiquei boba, feliz... Em ver tudo aquilo que penso, que sinto nas tuas palavras.

Em me ver.

É engraçado. É leve. É verdadeiro. É um lindo texto.

Vale 100 dólares.

Priscila disse...

Sabe, eu tive um certo dejavù quanto a esse triálogo. rs
Mas o que você escreveu explica sete vezes mais que qualquer vaga lembrança.

É exatamente isso, não há nada que acrescentar. Uma lógica tão óbvia quanto sutil.

Teresa disse...

faz, faz sentido.:)

Daniel Lira disse...

Não só faz sentido como acredito que seja verdade. Amor não conhece barreiras, é sutil, carinhoso e, obviamente, apaixonante. Acho que as pessoas tem muitas concepções erradas sobre muitas coisas..

Rafael disse...

Parabéns pelo texto. Grande, mas fluiu de tal maneira que quando acabou fiquei triste. :x
De qualquer forma, parabéns pelo blog e pelo post.
E quanto às conclusões obtidas no triálogo: sim, faz sentido.
Abraaço.

Lorena Gonzalez disse...

vi que você passou no meu blog e resolvi dar uma olhada
(e agradecer, fico muito feliz em saber que minhas singelas palavras agradam)

gostei muito, muito mesmo do texto, é super gostoso de ler
realmente, faz sentido...
(:

Srta. Clichê! disse...

faz, faz sentido. [2]

Julhy Van Den Berg disse...

Gente como assim eu nunca li esse texto? É lindo demais, parabéns!