02 junho 2011

Abelha no Café

Qualquer coisa me faz divagar. É algo muito simples. Basta que não tenha ninguém me mandando fazer algo. Por exemplo, posso estar sentada ao seu lado, te ouvindo falar sobre qualquer coisa, mas quando você menos esperar, estarei observando como a luz do sol bate em certa folha daquela planta que está na nossa frente. É simples, é bom. Você devia tentar às vezes.
É bom se desligar.
Você já viu abelhas que gostam de café?
Eu já.
Quase arranjo briga com duas hoje por causa do meu café. Mas não sou de briga, então bebi minha parte do café e deixei um pouco para as duas. Elas enrolaram bastante até ver que o que estava na caneca era pra elas. E ia uma de cada vez. Achei isso magnífico. Se fossem humanas, teria dado briga e o café teria derramado. Achei incrível também elas gostarem de café amargo. Sempre achei que abelhas gostavam de açúcar. Mas "todo penso é torto".
O sol já estava baixinho e elas ainda estavam lá aproveitando o café. Eu tinha que encontrar alguém, mas como não conseguia prestar atenção em mais nada além das abelhas, nem me preocupei. Elas voavam silenciosamente, revezando a vez e ficando cada vez mais ativas. Alegres, vivas.
Eu sei que não é fácil se desligar. Há tantas coisas pra se pensar, pra se fazer, pra planejar... Mas me diga, porque não apenas sentar e olhar? Respirar? Fechar os olhos e sentir os cheiros ao redor?
O que sempre vejo "é cada um por si na sua própria bolha de ar".
Eu sei, sei que é difícil. Acha que sempre fui assim?
Ai, ai... Dói lembrar quando tudo me prendia e nada me pertencia.
As abelhas voando sobre a caneca de café. Esse não é o lugar delas. Deviam estar nas flores, nas frutas. E não em uma caneca de café.
Eu sentada na varanda, com uma caneca de café e um caderno cheio de pensamentos. Esse não é meu lugar. Esse é um dos meus lugares.
É tão fácil, tão simples. Mas eu te vejo complicar tudo. Já te disse, esquece o problema, pensa na solução. Logo, logo ela aparece. E se não tiver? Ora bolas, se não tem solução, então não tem problema a ser resolvido.
Estou falando bonito, não é? Eu sei. Também estou impressionada com essas palavras otimistas. Mas veja bem, eu bebi café, está um clima bom, estou na minha varanda e tem abelhas voando no meu café. Bom, era meu café. Mas não tem problema, elas dão uma cor especial a esse fim de tarde em que passo mais uma vez sem você.

7 comentários:

Nathy. disse...

tu, sempre linda.
eu e tuas palavras.

parceira, orgulho ó.

Tayná disse...

Escreve super bem, eu adorei. *-*

Julhy Van Den Berg disse...

"Mas me diga, porque não apenas sentar e olhar? Respirar? Fechar os olhos e sentir os cheiros ao redor?"
Adorei o texto e adorei o blog! Já to seguindo!

Rafael disse...

Báh, muito bom meesmo. :D
Parabééns!

Anônimo disse...

Divagar quase parando
quando menos esperar quero te ver me ouvindo
sem zum zum de abelhas
nem amargo no café
num doçe olhar em direçaõ ao por do sol

Anônimo disse...

Não sei ingles.mas gostei muito do conteudo e da proposta do blog.
Recomendo para a galeria dos livros 'O JOGO DAS CONTAS DE VIDRO" de Reman Resse

Srta. Clichê! disse...

Moça, tu escreve muito bem.
Que belezura!
Me assusta saber que passaste tanto tempo sem ler Caio.