26 outubro 2011

É tanta


Viu as fotos? As notícias? O ditador morto? O festival em São Paulo?
E o que esteve nos trending topics? A manchete do jornal? O álbum novo daquela cantora nova?
Não vi. Não li. Aonde? Nem quero.
Desatualizada. Desinformada. Como não? Aonde estava? Perdeu, foi ótimo.

É tanta informação, gente, novidade que...

Que nada.
Desligamos tudo, tiramos os tênis, corremos pela grama, abraçamos árvores, quebramos copos, batemos boca, fomos ao parque, discutimos Caetano.
A dor, o vazio, a rotina, a neura. Nada é o mesmo.
A sensibilidade é tamanha que há lágrimas nos olhos por esses momentos bonitos.
São dias e noites de sol, independentemente do astro que leva esse nome e fica acima de nossas cabeças queimar e emanar seu calor nesse dias e noites. Independentemente dele, serão quentes esses momentos. Porque calor é interno.
E nós temos uns aos outros.

Sobram notícias, sobram links, sobram manchetes, sobram músicas novas e afins porque há vida.
Só não sobra tempo.

"Quando é que a gente começou a ser tão feliz?"


10 comentários:

Ágda disse...

E toda vez que eu penso nisso, respiro bem fundo e já sinto o cheiro da grama, da terra, o vento, o sol, a lua, a boa músicas, os risos. Respiro então, sempre sempre sempre bem fundo, pra nunca esquecer esses momentos.
Porque temos uns aos outros, não importa a distancia.

Paola Rodrigues disse...

Gostei.

As vezes devemos gastar nosso tempo com coisas vivas, não com informações mortas.

Juliana Cimeno disse...

É engraçado como isso acontece com mais frequência do que a gente imagina. Mas você está lá, naquela fase, passando por aquele tipo de coisa e, de repente, se depara com um texto ou uma imagem ou uma frase que explica exatamente sua situação.

Mas não para. Esclarece. Dá perspectiva. E uma ideia de como se superar.


Achei inspirador, Naty ;)

Darlan disse...

Eu sinto saudade de coisas mais vivas e mais intensidade. Às vezes penso que isso faz parte de um tempo que já passou, tempo nunca volta.

Daniel Lira disse...

"Nem sei dessa pressa toda, desses dias tantos" Por que ainda nos submetemos a essa modernidade toda? Pós-modernidade pra vida, bebê :D

Claudir Orcrux disse...

Caramba meu, só pode ser mimética!!! Tava justamente a manhã inteira intocado no meu quarto pensando nas tantas coisas pra se fazer, seguir o padrão racional ocidental é se tornar tão submisso, que num dia como esse compartilhar essa ideia é algo quase que libertador, do tipo hoje liguei o foda-se, quero ler algo não pese na mente, quero ver pessoas e coisas que façam ver a positividade do mundo, quero escutar coisas boas. Realmente "é tanta" coisa lá fora, prefiro colecionar momentos que possamos compartilhar ao final de cada por-do-sol!
Minhas caras migas, agrada-me ler um pouco de vcs, isso me internaliza muitas coisas positivas!

Lou disse...

engraçado q tbm penso nessa atualidade toda q logo será um passado distante. Distância não se vê nas lembranças felizes q temos. Msm qnd estamos longe do q é mais importante. E essas coisas que a maioria qr comentar, ou viver, qnd menos esperar não vão ter valido tanta pena assim. curti.

Puma Azul disse...

Q-10!!! Estamos conectadas, é isso. Ainda hoje comentava como é importante "viver" esses momentos que são únicos, falar e ouvir pessoas reais, dar um tempo, ficar um pouco fora da "máquina", como disse o Claudir, "ligar o foda-se"!! Muito orgulho de vcs, e muita felicidade. Mimética ou não, isso contagia!!! Bjs.

Rafael disse...

Paz na alma que tuas palavras me trazem... é indescritível.
Vc acende o calor interno no meu peito Nathy. Muito bom ler seus textos. Sua fofa. <3

Bárbara disse...

Tudo pareceu muito rápido também na época em que surgiu o jornal impresso.

Depois as pessoas se assustaram com a TV.

Hoje a internet nos choca.. Amanhã, o quê?